Header

Escola de silêncio e contemplação

O Rosário - bela e profunda oração - é "um meio espiritual precioso para crescer na intimidade com Jesus", afirmou Bento XVI, após recitá-lo no Pontifício Santuário de Pompéia.

Antes de entrar no Santuário para recitar convosco o santo Rosário, detiveme brevemente diante do túmulo do Beato Bartolo Longo e, enquanto rezava, perguntei-me: "De onde tirou este grande apóstolo de Maria a energia e a constância necessárias para realizar uma obra tão imponente, conhecida em todo o mundo? Não é precisamente do Rosário, por ele acolhido como um verdadeiro dom do coração de Nossa Senhora?". Sim, foi verdadeiramente assim!

Disto dá testemunho a experiência dos santos: esta popular oração mariana é um meio espiritual precioso para crescer na intimidade com Jesus, e para aprender, na escola da Virgem Santa, a realizar sempre a vontade divina. É contemplação dos mistérios de Cristo em união espiritual com Maria, como ressaltava o Servo de Deus Paulo VI na exortação apostólica Marialis cultus (nº 46), e como depois o meu venerado predecessor João Paulo II ilustrou amplamente na carta apostólica Rosarium Virginis Mariæ, que hoje idealmente entrego à Comunidade de Pompéia e a cada um de vós.

Vós que viveis e trabalhais aqui em Pompéia - especialmente vós, queridos sacerdotes, religiosas, religiosos e leigos comprometidos nesta singular porção de Igreja - sois todos chamados a fazer vosso o carisma do Beato Bartolo Longo e a tornar- vos, na medida e nos modos que Deus concede a cada um, autênticos apóstolos do Rosário.

Beleza e profundidade desta oração

Mas para ser apóstolos do Rosário, é preciso fazer experiência em primeira pessoa da beleza e da profundidade desta

PAPA BENTO_RAE 84.jpg
No domingo, 19 de Outubro, o Papa Bento XVI foi calorosamen-
te acolhido no Santuário Mariano de Nossa Senhora de Pom-
péia, no Sul da Itália                                          L'Ossertore Romano
oração, simples e acessível a todos. É necessário antes de tudo deixar-se guiar pela mão da Virgem Maria e contemplar o rosto de Cristo: rosto jubiloso, luminoso, doloroso e glorioso. Quem, como Maria e junto com Ela, guarda e medita assiduamente os mistérios de Jesus, assimila cada vez mais os seus sentimentos e conforma-se com Ele.

Apraz-me, a este propósito, citar uma bonita consideração do Beato Bartolo Longo: "Como dois amigos - escreve ele - praticando freqüentemente juntos, costumam conformar-se também nos costumes, assim nós, conversando familiarmente com Jesus e com a Virgem, ao meditar os Mistérios do Rosário, e formando juntos uma mesma vida em comunhão, podemos tornar-nos, na medida em que for capaz a nossa pequenez, semelhantes a eles, e aprender destes excelsos exemplos o viver humilde, pobre, escondido, paciente e perfeito" (Rosarium Virginis Mariæ, 15) .

Deus fala sempre através do silêncio

O Rosário é escola de contemplação e de silêncio. À primeira vista, poderia parecer uma oração que acumula palavras, portanto, dificilmente conciliável com o silêncio que é justamente recomendado para a meditação e a contemplação. Na realidade, esta repetição ritmada da Ave-Maria não perturba o silêncio interior, aliás, exige-o e alimenta-o.

Analogamente ao que acontece com os Salmos quando se reza a Liturgia das Horas, o silêncio sobressai através das palavras e das frases, não como um vazio, mas como uma presença de sentido último que transcende as próprias palavras e juntamente com elas fala ao coração. Assim, recitando as Ave-Marias é preciso prestar atenção para que as nossas vozes não "se sobreponham" à de Deus, o qual fala sempre através do silêncio, como "o sussurrar de uma brisa leve" (I Rs 19, 12). Como é importante então cuidar este silêncio cheio de Deus, quer na recitação pessoal, quer na comunitária! Mesmo quando é rezado, como hoje, por grandes assembléias e como fazeis todos os dias neste Santuário, é necessário que se sinta o Rosário como oração contemplativa e isto não pode acontecer se falta um clima de silêncio interior.

Rosário e Palavra de Deus

Gostaria de acrescentar outra reflexão, relativa à Palavra de Deus no Rosário, particularmente oportuna neste período no qual está decorrendo no Vaticano o Sínodo dos Bispos sobre o tema: A Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja. Se a contemplação cristã não pode prescindir da Palavra de Deus, também o Rosário, para que seja oração contemplativa, deve emergir sempre do silêncio do coração como resposta à Palavra, a exemplo de Maria.

Considerando bem, o Rosário está totalmente imbuído de elementos tirados da Escritura. Está, antes de mais nada, a enunciação do mistério, feita preferivelmente, como hoje, com palavras tiradas da Bíblia. Segue-se o Pai-Nosso: dando à oração a orientação "vertical, abre a alma de quem recita o Rosário para uma justa atitude filial, segundo o convite do Senhor: "Quando rezardes, dizei: Pai..." (Lc 11, 2). A primeira parte da Ave-Maria, também ela tirada do Evangelho, faz-nos ouvir, todas as vezes, as palavras com que Deus Se dirigiu à Virgem Maria, através do Anjo, e as palavras de bênção da prima Isabel. A segunda parte da Ave-Maria ressoa como a resposta dos filhos que, dirigindo- se suplicantes à Mãe, não fazem mais do que expressar a própria adesão ao desígnio salvífico, revelado por Deus. Assim, o pensamento de quem reza permanece sempre ancorado na Escritura e nos mistérios que nela são apresentados.

(Excerto do discurso no Pontifício Santuário de Pompéia, 19/10/2008 )

(Revista Arautos do Evangelho, Dez/2008, n. 84, p. 6-7)

 

| print | email Indicar |
0
Votos: 0
Todos os direitos de copyright reservados a Associação Católica Nossa Senhora de Fátima.